domingo, 8 de maio de 2011

Amor que salva!


O tanto que ser mãe é necessário é refletido na falta do amor no mundo:
Sinto falta de mãe quando vejo o ser humano prematuramente infeliz;
Cobro a presença da mãe nos momentos que jovens se prostituem;
Se dona chaga tivesse lá seu amor os salvavam.
É doloroso perceber que o amor de mãe é pouco pra suprir carências;
Mais doloroso ainda é a falta de compromisso;
Biologicamente qual quer um é mãe ou pai;
Amor de mãe deve ser salvação em toda ação:
No olhar que aconchega, mas também no que condena para ensinar.
A falta da mãe está retratada no alvoroço dos lares sem mulheres na hora do almoço.
Roubaram nossas mães, as tornaram presidentes de outras casas;
Fizeram-nos submissos as leis gerais;
Sentimos necessidade de uma lei caseira, particular, dirigida as nossas necessidades mais ocultas;
 Aquela regra que só mãe que cuida conhece mais do que a nós mesmos.
Só espero que a esperança não morra.
São novas as regras, mas, o amor é antigo, porém, é também renovável. 

fatima oliveira 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário